Uma mãe conta honestamente o que significa ser mãe de uma criança hiperativa: "Às vezes, não sei mais o que fazer" - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Uma mãe conta honestamente o que significa…
“Quando eu for velho, quero ir para um asilo”: uma reflexão que acende um grande debate Uma mãe de 4 filhos ajuda seu irmão gay e seu parceiro a serem pais carregando no ventre o seu futuro filho

Uma mãe conta honestamente o que significa ser mãe de uma criança hiperativa: "Às vezes, não sei mais o que fazer"

28 Fevereiro 2021 • Por Roberta Freitas
38.571
Advertisement

Se você é pai, sabe muito bem do que estamos falando; nossos filhos, quando são pequenos, tendem a ter muitos, muitos acessos de raiva, e não só é muito difícil para um adulto entender o motivo das tantas reclamações de uma criança, mas quanto mais o tempo passa, mais difícil será tentar acalmá-los, entendê-los. Sabemos que para uma mãe e um pai é uma grande fonte de estresse cuidar constantemente de seu filho, especialmente se ele for particularmente hiperativo, mas esta história o fará pensar novamente: cada capricho, até mesmo o pior, pode ser administrado.

A postagem de uma mãe que tem uma filha que sofre de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade lançou uma nova luz sobre o que significa ser pai de uma criança particularmente temperamental e como lidar não apenas com a criança, mas também com o constante estado de ansiedade do pai ou da mãe. A história desta mãe começa enquanto ela estava na fila para pagar suas compras no supermercado: "Finalmente aconteceu. Enquanto eu esperava na fila para pagar, minha Sophie não parava quieta no carrinho, chorando porque eu tinha confiscado um saco de chips dela porque ela tinha me chamado de idiota enquanto estávamos na fila. Ela é implacável. Eu sei. Eu vivo o seu ser hiperativa e muito birrenta há muito tempo, e não sei mais o que fazer...

Ficamos na fila por vários minutos, eu ignorei seus caprichos e me recusei a me mover. Saí de locais públicos centenas de vezes por esse motivo. Quase todas as vezes, na verdade, acabo saindo sem o que ia comprar e com uma menina de quatro anos que dá um chilique, mas desta vez tive que me manter forte porque precisávamos de bens essenciais em casa".

Eu digo a ela pela décima vez para se sentar direito e então ouço uma mulher atrás de mim dizer: "Pelo amor de Deus, dê um biscoito para ela, assim ela cale a boca!". Eu poderia ter respondido melhor. Eu poderia ter explicado que minha filha de quatro anos tem um déficit severo, que eu crio meus dois filhos sozinha, que estou fazendo o meu melhor e que não tenho escolha a não ser aguentar porque preciso fazer compras . Em vez disso, ouço da minha boca: "Ela tem quatro anos e a senhora cuide de sua própria vida". Fui apontada por um estranho como a pessoa com a criança que não se comporta bem. A pessoa que parece preguiçosa porque ignora as birras, lágrimas caem no meu rosto por ter perdido a paciência assim, me sinto terrivelmente triste por não poder fazer um único passeio sossegada com meus filhos...

Enquanto eu verifico o que estava comprando, uma mulher se aproxima e começa a falar com Sophie. Ela faz perguntas para distraí-la, mas me apóia quando Sophie começa a reclamar de novo porque quer as batatinhas. "Não, você não pode comer as batatinhas hoje. Você tem que ser boa para sua mãe. Ela precisa que você seja boa para ela. Eu tenho uma menina como você. Quantos anos você tem? Quantos anos tem seu irmão?"

Você nunca sabe o que outra pessoa está passando. Você não conhece os problemas que uma criança tem e isso está causando nela esses comportamentos, a menos que conheça a batalha para criar uma filha como a minha, então não pode me julgar. Mas mesmo um ato de bondade é suficiente para fazer uma mãe se sentir confortável e feliz. Agradeço àquela mulher do supermercado hoje por ter sido gentil comigo e com meus filhos. Obrigada por nos levar até a saída. Obrigada por seu apoio. As mães devem ser unidas!"

Uma história que conta melhor do que qualquer outra coisa o que significa ser pai de uma criança hiperativa; não é preciso julgar, mesmo que às vezes não seja nada simples, mas basta um ato de bondade para entender que se colocar no lugar do outro é a coisa certa a se fazer, às vezes.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado