Uma enfermeira adota uma criança rejeitada mais de 10 vezes: "Não é o filho que eu escolhi, mas aquele que Deus me deu" - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Uma enfermeira adota uma criança rejeitada…
Uma galinha adota alguns cachorrinhos abandonados: sob as suas asas eles encontraram conforto e amor Recebem por engano mais de 400 cartas endereçadas ao Papai Noel: eles as leem e respondem a todas

Uma enfermeira adota uma criança rejeitada mais de 10 vezes: "Não é o filho que eu escolhi, mas aquele que Deus me deu"

28 Dezembro 2020 • Por Roberta Freitas
3.560
Advertisement

O destino quis que seus dois caminhos de vida se encontrassem e agora eles são inseparáveis. Uma auxiliar de enfermagem de São Paulo decidiu adotar uma criança abandonada pela mãe em um hospital, uma criança que ninguém queria adotar porque sofre de graves problemas de saúde. O grande coração desta mulher, no entanto, mudou para sempre o destino desta doce criança e da própria mulher. Aqui está sua história.

A auxiliar de saúde se chama Leinimar de Farias Cruz e mora e trabalha em São Paulo e, no hospital onde trabalha, o seu destino cruzou com o pequeno Paulo Henrique, nascido prematuramente de família desfeita: sua mãe era viciada em drogas e, por isso deu à luz no sétimo mês com uma cesariana de emergência. O nascimento prematuro do bebê causou a ele uma forma grave de broncodisplasia pulmonar, doença caracterizada por alterações na função respiratória do recém-nascido devido a essa condição.

Leni era a enfermeira encarregada de verificar e trocar a sonda gástrica de Paulo, e com o passar do tempo ela estabeleceu um vínculo muito especial com ele. A assistente de saúde o visitava sempre que podia, mesmo nos fins de semana, uma vez que tinha sido transferido para uma enfermaria especial. Quando o menino fez 5 anos, Leni decidiu que deveria adotá-lo.

Paulo Henrique também tinha problemas de linguagem, mas só porque não tinha tido incentivos para desenvolvê-la fora do ambiente hospitalar, então Leni sabia que se pudesse adotá-lo, mudaria sua vida para melhor: “Lá no meu coração eu tinha certeza que era como meu filho. Não tinha ideia de como iria cuidar dele, acordar às 4h50 para trabalhar, voltar para casa no final do dia, sozinha e sem ajuda. Lembro-me de dizer a Deus que se ele tivesse trazido Paulo para mim, eu teria feito ele se sentir em casa".

Finalmente, em março de 2020, Leni conseguiu adotar oficialmente o pequeno Paulo Henrique, que agora está melhorando aos poucos, aprendendo a falar e sua saúde definitivamente está melhorando. Agora que o pequeno encontrou uma mãe adotiva que o ama no mundo, ele sabe que não precisa de nada além do amor dela.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado