"Não vá para a universidade": a carta de uma mãe para seus filhos acende uma discussão - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
"Não vá para a universidade": a carta…
16 objetos velhinhos que ainda vão ser muito usados por seus donos Um idoso viúvo publica um anúncio no qual procura um amigo para pescarem juntos: ele não quer ficar sozinho

"Não vá para a universidade": a carta de uma mãe para seus filhos acende uma discussão

11 Março 2021 • Por Roberta Freitas
3.089
Advertisement

Na vida você deve fazer o que mais deseja e não o que é forçado a fazer - é o que pensa Cathy Brown, uma mãe que, depois de tantos anos, compreendeu que talvez, a chave da felicidade não está em sempre fazer o que "parece certo" e em obter as melhores notas na faculdade, mas em seguir o próprio instinto apaixonado. É claro que todos os pais desejam o melhor para seus filhos, mas existem tantas maneiras de desejar felicidade e prosperidade e, para Cathy, não é forçar os filhos a irem para a faculdade. Ela mesma foi uma menina que, para agradar aos pais, se matriculou na universidade; ela sempre tirava as notas mais altas e se às vezes se encontrava com uma nota mais baixa, não conseguia aceitar: mas isso seria mesmo a felicidade? Hoje Cathy é uma mulher adulta e escreveu uma carta muito significativa aos seus filhos, que idealmente se dirige a todos os jovens e a todos os pais que têm o prazer de refletir sobre estes conceitos.

Para resumir seu pensamento, poderíamos transcrever a frase, parafraseando a carta, que mais impressionou os destinatários da mensagem: “Não vá para a universidade”. Temos o dever de esclarecer que, com esta carta, Cathy não quis diminuir a importância de ter uma formação cultural adequada ou de ter uma boa educação, mas sim não estar muito condicionado em ter um diploma a todo custo. Se você não tem uma grande paixão por um determinado curso de estudo, talvez seja preferível fazer outra coisa. Cathy diz que se sente muito mais feliz em saber se seus filhos foram capazes de fazer a coisa certa por eles e não pela sociedade: "Prefiro que você pegue uma mochila e pegue uma carona até a Sibéria ou abra um negócio. Que faça sabonete natural ou voluntariado no Haiti, seja o que for". Tudo isso para dizer que ela já se sente muito orgulhosa dos filhos e que não precisa que eles escolham a universidade para se sentir ainda mais orgulhosa.

Cathy fala por experiência própria, ela sabe o que é viver pensando apenas "em obter o máximo". Hoje ela tem três filhos e é jornalista, mas quando jovem era literalmente “obcecada” em alcançar metas, no que poderíamos definir como uma eterna corrida contra o tempo e contra todos. Claro, ela se formou com honras e o fez em parte para satisfazer aquele desejo inconscientemente imposto por seus pais. No entanto, ela não quer repetir o mesmo erro com os filhos e sente que deve deixá-los mais livres desse vínculo. “Eu não me importo se você vai para a faculdade ou não”, escreve Cathy, e continua: “Eu gostaria que você fizesse coisas que são apenas aparentemente irracionais, mas movidas pela paixão, há um milhão de maneiras de se sustentar financeiramente e você não precisa se importar com o que os outros pensam. Aprenda a abraçar, celebrar e valorizar a espontaneidade. Não mate boas ideias pensando demais".

Conselhos úteis e imparciais, portanto, que poderiam ajudar muitos jovens indecisos e inseguros a encontrar seu próprio caminho.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado