"Eu permiti que minha filha de 15 anos fizesse uma tatuagem em memória de seu pai: me criticaram, mas não importa"

por Roberta Freitas

13 Agosto 2022

"Eu permiti que minha filha de 15 anos fizesse uma tatuagem em memória de seu pai: me criticaram, mas não importa"
Advertisement

Há muitos anos, muitas pessoas decidem fazer uma ou mais tatuagens para lembrar um evento importante em sua vida, um ente querido ou pelo simples prazer de ter um belo desenho impresso em sua pele. Mas quando é o momento certo para fazer uma? Com que idade é mais adequado fazê-la e quando, pelo contrário, não é? Não há uma resposta precisa para essas perguntas e muito depende da experiência de cada um de nós. Mas e se um adolescente pedisse para ter uma já com 15 anos?

Não sabemos qual pode ser a sua opinião, mas para a mãe de quem queremos falar, é normal que, mesmo quando jovens, possamos decidir fazer uma. Ela fez isso com a filha, mas apesar de estar feliz e nada arrependida, recebeu um grande número de críticas. Nós falamos sobre ela.

via The Sun

Advertisement

My husband bungee corded my kid to the seat once. Not kidding. No lie. She was probably about 3-years-old and I had...

Pubblicato da Diana Register su Sabato 18 giugno 2022

Diana Register é mãe de duas meninas e, infelizmente, viúva de um marido que faleceu prematuramente. A mulher ganhou manchetes na web por ter contado sobre uma decisão tomada a respeito de um pedido de sua filha. A jovem Kaitlyn, de 15 anos, teria pedido à mãe uma pequena tatuagem e a mulher teria dado permissão imediatamente.

O motivo estava relacionado ao falecimento de seu pai. Quando ela tinha apenas 13 anos, uma doença grave a separou de seu pai e ela e sua irmã sofreram muito, mas graças à proximidade de sua mãe conseguiram superar um período muito triste de sua vida. Cerca de dois anos após a perda, Kaitlyn perguntou à mãe se ela poderia fazer um desenho em seu tornozelo para lembrar de seu pai.

Advertisement
Pexels - Not the actual photo

Pexels - Not the actual photo

Sua irmã mais velha Savanna já havia feito algo semelhante ao tatuar os algarismos romanos presentes no distintivo de seu pai e Kaitlyn queria fazer a mesma coisa.

"Esses números representavam algo mais do que uma simples identificação - confessou Diane - Eles agora se tornaram o símbolo de força, coragem e tenacidade que distinguiu meu marido durante sua doença. Ele lutou até o fim e nunca desistiu. - continuou - Eu também pedi que fosse tatuado o traço de seu batimento cardíaco, é uma forma de mantê-lo sempre comigo e sentir que seu coração ainda está batendo forte, mesmo que ele não esteja mais aqui conosco”.

Como dizer não a tal pedido então? Diane não conseguiu, mas recebeu muitas críticas de quem ficou sabendo da história. Ela não parece ser afetada e continua convencida de que fez a escolha certa.

O que você acha disso? Ela está errada ou tinha todo o direito?

Advertisement