Não conseguimos mais amar as pessoas, as usamos como objetos: bem-vindo na era do "consumismo relacional" - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Não conseguimos mais amar as pessoas,…
Não tem nenhum problema em afastar das nossas vidas as pessoas tóxicas O conselho de Dalai Lama para afastar a inveja e as energias negativas

Não conseguimos mais amar as pessoas, as usamos como objetos: bem-vindo na era do "consumismo relacional"

Por Roberta Freitas
2.271
Advertisement

Antigamente, as coisas não eram jogadas fora, elas foram consertadas, hoje compramos, usamos, jogamos fora. Nos cercamos do que não precisamos e jogamos fora o que ainda pode ser útil, compramos muito, desperdiçamos demais. Esse modelo de comportamento infelizmente condiciona e também polui a esfera das relações sociais, criando interações fúteis e superficiais. Afetos estão se tornando objetos e a era do "consumismo relacional" foi inaugurada.

image: Pexels

Difícil explicar o motivo pois é muito complexo entender tudo isso. Não há um único fator para o qual apontar o dedo, não há um vilão para culpar, é um complexo de elementos que ao longo do tempo levaram os indivíduos a se transformarem no que são hoje. Mérito das redes sociais? Da dinâmica rápida e imparável da tecnologia digital? É claro que esses instrumentos deram sua contribuição, mas no final é sempre uma questão de "ferramentas". Qualquer invenção pode ter um impacto na realidade com base no uso feito dela.

Talvez em alguns, a semente do consumismo relacional sempre tenha existido e os novos recursos só tenham permitido que ela floresça e venha à luz. O fato é que é cada vez mais difícil construir amizades ou amores importantes, que não podem ser intercambiáveis, substituíveis por "modelos mais novos". Alguns atribuem essa tendência à insegurança desenfreada, à percepção comum de um passado com raízes frágeis e um futuro cada vez mais obscuro e nebuloso. Na ausência de certeza, por que se preocupar em construir algo duradouro? Tudo está destinado a desaparecer de um momento para o outro.

Um dos piores efeitos colaterais do consumismo relacional é a imaturidade emocional e afetiva. O medo do sofrimento, de desperdiçar tempo e energia, faz com que fujamos em cada pequena dificuldade, impedindo os indivíduos de terem experiências fundamentais. Para crescer, é preciso também passar por crises, conflitos e desilusões, fazendo introspecção, aprendendo a administrar os sentimentos e a perdoar.

Em uma sociedade semelhante, não há mais nenhuma troca ou enriquecimento real entre as pessoas, com o resultado de que somos todos mais egocêntricos, intolerantes, infantis, enfim, piores. A solução poderia ser consumir menos e viver mais uma vida um pouco mais pobre em objetos e mais rica em afetos.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado