Algumas boas razões para evitar de contar tudo o que fazemos e, assim, vivermos mais felizes - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Algumas boas razões para evitar de…
Recriam a mesma foto de formatura 18 anos depois: pai e filha mostram um vínculo atemporal Este homem cria esculturas de areia tão detalhadas e realistas que parecem ganhar vida

Algumas boas razões para evitar de contar tudo o que fazemos e, assim, vivermos mais felizes

Por Roberta Freitas
1.151
Advertisement

Na época em que tudo é instantaneamente compartilhado e exposto à visão e aos comentários de todo o mundo, a palavra "confidencialidade" certamente perdeu boa parte de seu significado. De fato, poucas pessoas hoje conseguem manter as esferas pública e pessoal bem separadas. Graças também aos modernos meios de comunicação, às redes sociais que, se não forem usadas com discernimento e a devida atenção, expõem a todos os nossos fatos pessoais e acabam sendo uma violação contínua da privacidade.

Não estamos exagerando: basta olhar em volta para entender que é realmente assim. Falar demais de si mesmo, se mostrando, no entanto, não é um risco apenas "digital": é um aspecto de nossos relacionamentos que é sempre bom tentar evitar, mesmo quando fazemos isso de boa fé. A razão é simples: não falar muito sobre nós nos fará viver mais felizes.

via: Medium.com
image: Pexels

Não se trata ser antissocial ou fechado: infelizmente, talvez por um desejo de estabelecer relacionamentos ou ser aceito, geralmente tendemos a ir além das fronteiras privadas, que seria melhor não ultrapassar quando conversamos com outras pessoas. Se temos uma pessoa sincera, amigável e confiável diante de nós, isso nunca deve ser um problema. O risco, no entanto, está à espera quando colocamos nossos segredos e nossas informações em mãos erradas.

O que acontece nesse momento? Nós nos expomos a possíveis comentários e a críticas mais ou menos estéreis, ou seja, capazes de pintar uma imagem de nós que não foi suficientemente avaliada e ponderada, mas talvez seja baseada em suposições ou avaliações precipitadas, feitas só para julgar.

Detalhes, informações não solicitadas, confidências: não estamos absolutamente dizendo que é errado confiar nos outros e falar sinceramente. Às vezes, você só precisa escolher com cuidado as pessoas com quem fazê-lo, ou seja, quem merece nossa abertura. Também existe o risco de não deixar o espaço certo para aqueles que estão à nossa frente, que podem ficar sobrecarregados com nossos problemas enquanto, em vez disso, precisariam confiar os dele.

image: Pxfuel

Infelizmente, nem todo mundo é nosso "amigo". De fato, as pessoas que realmente podemos considerar assim, ao longo da vida, podem ser contadas na ponta dos dedos. Por isso, devemos manter os nossos pensamentos mais profundos para quem sabemos não sentirá inveja ou frustração, talvez sob uma "máscara" de sorrisos e falsidades. É bom compartilhar a felicidade, mas nem todas as pessoas que conhecemos podem ser consideradas nossas confidentes.

Afinal, é apenas uma questão de adotar atitudes mais perspicazes e de abandonar outras, talvez ligadas a uma necessidade contínua de se comunicar e socializar. Sempre alimentar uma certa "aura de mistério" com outras pessoas e aprender a se abrir com alguém que é verdadeiramente confiável é uma maneira de viver melhor, mesmo que às vezes pareça um convite para se fechar. Não é esse o caso, porque podem ocorrer erros de avaliação nas pessoas: cabe a nós decidir se devemos nos proteger de más surpresas.

Tags: ÚteisPsicologia
Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado