Ela não se sente à vontade em um corpo feminino e decide fazer uma operação: 2 anos depois se arrepende

por Roberta Freitas

05 Agosto 2022

Ela não se sente à vontade em um corpo feminino e decide fazer uma operação: 2 anos depois se arrepende
Advertisement

Nem todo mundo se sente confortável no corpo que a mãe natureza deu. Não estamos falando apenas de forma física e do lado estético, ou seja, se você tem alguns quilos a mais ou a menos ou se não gosta de alguma característica, mas estamos nos referindo a algo ainda mais profundo. Há homens, por exemplo, que preferem habitar um corpo feminino e mulheres que se interessam pelo contrário.

Um tema muito delicado e debatido que sempre dividiu a sociedade. Na verdade, há aqueles que não prestam muita atenção a essas coisas, incentivando as pessoas a fazerem o que as deixa realmente felizes e aquelas que, por outro lado, simplesmente não conseguem entender os motivos. A protagonista desta história se viu confrontada com a insegurança de gênero e enfrentou um período muito complicado de sua vida. Nós vamos falar sobre Sam.

via Daily Mail

Advertisement
Pexels - Not the actual photo

Pexels - Not the actual photo

Sam Wise, uma jovem de 26 anos de Midlands, Inglaterra, contou sua história para conscientizar sobre um tema muito importante: a transição de gênero. Embora existam homens e mulheres que nem gostariam de ouvir falar disso, existem aqueles que fazem o possível para ajudar quem não está satisfeito com sua masculinidade ou feminilidade. Sam, desde os 21 anos, nunca se sentiu completamente confortável como mulher e se fez algumas perguntas.

"Quando eu era adolescente eu sentia que algo estava errado - disse el - eu não tinha atitudes completamente masculinas, mas nem mesmo femininas, então comecei a me questionar. Queria encontrar uma maneira de me sentir feliz e resolvi conversar com o meu médico. Ele me aconselhou a ir ao ambulatório conversar com especialistas e eu fui".

A mulher tentou contatar o serviço nacional de saúde, mas as listas de espera ultrapassavam os dois anos, por isso optou por um estabelecimento privado. Economizando o dinheiro necessário, Sam marcou um horário para a primeira consulta e começou a expressar seu desconforto. Em muito pouco tempo ela chegou à conclusão de que se sentia mais calma como homem e começou sua mudança.

Advertisement
Dr.jayesh amin/Wikimedia - Not the actual photo

Dr.jayesh amin/Wikimedia - Not the actual photo

Entre diferentes tratamentos e cirurgias, a mulher alcançou um equilíbrio que, no entanto, foi quebrado apenas 2 anos depois.

"Após cerca de 2 anos, comecei a sentir dores físicas e a me arrepender da escolha feita - disse a jovem - já não estava convencida da decisão tomada, mas não queria voltar atrás. A única coisa a fazer naquele momento foi aceitar meu novo corpo, as mudanças que aconteceram e seguir em frente com minha vida. Felizmente, sempre tive a família ao meu lado. Eles nunca me deixaram sozinha e tentaram de todas as formas me ajudar como podiam e isso me fez bem".

Petri Damstén/Flickr - Not the actual photo

Petri Damstén/Flickr - Not the actual photo

Uma situação particular a dela, que a colocou à prova, mas também a levou a fazer algo pelos outros. Sam lançou sua história para ajudar quem, como ela, está em fase de transição e não sabe como sair dela. A coisa que ela mais recomenda é seguir uma terapia, absolutamente não curta e precipitada, para entender completamente o que você quer. Uma vez alcançado esse objetivo, você pode iniciar um caminho de mudança, mas primeiro é melhor não se apressar, como infelizmente ela fez.

Mas sabemos bem que algo positivo também pode surgir de um erro e para Sam foi assim. Sem contar que colocou sua experiência à disposição para ajudar os outros e fazer um belo gesto de altruísmo.

Advertisement