"Minha saúde mental está em risco": uma professora de um jardim de infância deixa o emprego depois de 12 anos - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
"Minha saúde mental está em risco":…
A filha usa um shorts curto e o pai resolve dar uma 'lição' a ela! Queridos vovós, se vocês cuidarem de seus netos, irão viver mais!

"Minha saúde mental está em risco": uma professora de um jardim de infância deixa o emprego depois de 12 anos

Por Roberta Freitas
1.885
Advertisement

Aquele de professor talvez seja um dos empregos mais recompensadores do mundo, mas, especialmente nos últimos anos, está se tornando cada vez mais difícil conseguir isso nesse campo. De muitas maneiras, ser professor hoje é muito cansativo. Jessica Gentry, depois de trabalhar por 12 anos como professora em uma creche na cidade de Harrisburg (EUA), decidiu mudar de curso e explicar o motivo de uma decisão tão importante. "Eu não faço isso pelo dinheiro, não fecho com o ensino para procurar um emprego melhor remunerado", disse a jovem professora no Facebook, que listou todas as razões para o abandono de carreira em um post. 

image: Facebook

Seria fácil dizer que Jessica Gentry fez isso para conseguir um emprego mais bem remunerado do que aquele de professor ou, simplesmente, dizer que a paixão pelo ensino estava esgotada nesses longos 12 anos. Seria fácil e não correto. A jovem professora explicou em um post que se tornou viral, os 5 motivos reais que a levaram a deixar essa profissão.

Os pais. Costuma-se dizer que as crianças de hoje "mudaram". Bem, esse não é o caso: as crianças ainda são crianças, os pais mudaram radicalmente e, junto com eles, a sociedade em que vivemos. As crianças são apenas vítimas inocentes. Os pais de hoje trabalham muitas horas por dia, são literalmente consumidos por aparelhos eletrônicos - sejam eles celulares, computadores ou tablets - e, muitas vezes, deixam seus filhos em situações instáveis, onde sofrem com a falta de um pai atencioso e, claro, a péssima influência da mídia. Então, vamos parar de desviar a atenção dos problemas reais dessa sociedade.

A fellow coworker shared a Time magazine cover of a teacher who shared that she can't afford to take her car to get...

Pubblicato da Jessica Gentry su Giovedì 24 gennaio 2019

Relações humanas sacrificadas para dar lugar à tecnologia. Como se não fosse difícil o suficiente para nossos filhos aprenderem a entender melhor os comportamentos e os sinais sociais mais corretos, até mesmo a escola está começando a contribuir para a deterioração, pressionando cada vez mais para o uso da tecnologia em qualquer situação. "Esqueça os fundamentos da construção de relacionamentos e do aprendizado prático. As crianças já não sabem ler e interpretar corretamente os sinais sociais e se comportam de maneira inapropriada na maioria das vezes, quanto mais darmos a eles mais dispositivos, só para podermos dizer no site da escola que ela tem tecnoligias, pior será. Infelizmente, parece que o ensino não depende mais de quanto você pode gerenciar e ensinar as crianças, mas sim da sua capacidade de usar a tecnologia. 

A escola conta com tecnologia, subtraindo horas de ensino em sala de aula com cursos de capacitação. "Como nossa abordagem à tecnologia parece não funcionar, os professores precisam, necessariamente, de mais treinamento", escreve Gentry em seu post. Para acompanhar a demanda, as escolas intensificaram excessivamente os cursos de capacitação para atualizar os professores sobre temas tecnológicos, em detrimento das horas gastas em sala de aula com as crianças. 

Os professores estão à mercê dos pais. Antigamente, pais e professores formavam uma equipe pronta para se comprometer e dar o melhor de si para o bem dos alunos e dos filhos. Hoje, essa cumplicidade não existe mais: em vez de agirem como adultos, e apresentar-se como a figura de referência que mostra o caminho para a criança, há uma tendência crescente da rivalidade.
 
Bem-estar mental e físico. Enfrentar brigas e administrar crianças inquietas envolve o acúmulo de muito estresse, que os professores ainda enfrentam com coragem dia após dia, sabendo que todas essas crianças merecem mais do que recebem. Quando, no entanto, em vez de receber apoio, a pessoa ouve "não perca o sono por eles", o desencorajamento toma conta.
 
Jessica Gentry não deixou seu trabalho de professora para ir ganhar dinheiro em outro lugar, mas para começar a trabalhar seriamente em casa, com seus filhos, gastando mais tempo porque "tudo começa de lá". Suas palavras, tão apaixonadas e honestas, foram compartilhadas mais de 173.000 vezes, reunindo uma miríade de elogios de professores e pais. E o nosso também.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado