Infelizes para sempre: veja por que alguns casais que "já terminaram" não conseguem se deixar - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Infelizes para sempre: veja por que…
Este homem adota somente cães que ninguém quer, para oferecer a eles uma vida melhor As crianças deste vilarejo atravessam o rio em sacos de plástico para conseguirem ir para a escola

Infelizes para sempre: veja por que alguns casais que "já terminaram" não conseguem se deixar

8.453
Advertisement

Há tantos casais que, apesar de terem estado juntos por toda a vida e compartilharem o mesmo teto, estão profundamente separados e desconectados um do outro. Dizem que se amam, mas passam seus dias na solidão, distantes, dormindo em quartos separados e, quando se encontram no mesmo lugar por mais de duas horas, brigam, às vezes até usando as mãos. É esse o significado do amor? Absolutamente não. O problema é que essas pessoas - e são muitas, infelizmente - acreditam que estão vivendo um relacionamento "normal". Mas as brigas contínuas, a violência e a traição não são sinônimos de um relacionamento normal. Então, o que leva um casal a ficar junto por tanto tempo até explodir? Por que temos que continuar a sofrer "para sempre" em vez de fechar um capítulo e começar outro?

via: CNN
image: Unsplash

Há várias razões pelas quais alguns casais optam por não se separar, continuando a alimentar um círculo vicioso que é muito prejudicial para ambos e para seus filhos.

Uma dessas motivações está certamente ligada à tradição do passado e a um modo de pensar talvez um pouco atemporal: "até que a morte nos separe" - a separação, de fato, especialmente em famílias religiosas, era considerada como um grave desgraça a ser evitada a todo custo. Mas se deve ser a "morte" para acabar e "libertar" uma mulher, ou um homem, das correntes de um relacionamento, talvez cada um de nós deva refletir um pouco mais sobre as escolhas a serem feitas.

Outro fator que certamente influencia o vínculo é a dependência econômica: muitas mulheres, durante anos, ficaram presas em um relacionamento, ou em um casamento, que gostariam de ter acabado se tivessem os recursos financeiros necessários para viver uma vida independente. Infelizmente, o mundo do trabalho, que é cheio de discriminação e dificuldades para todos, é ainda mais difícil para as mulheres, que não são nem mesmo livres para escolher o momento certo para ter um filho. Por outro lado, um divórcio representaria um obstáculo econômico considerável, mesmo para vários homens, que acabariam em um estado indesejado de precariedade.

image: Maxpixel

Então, é claro, existem aqueles casais extremamente tóxicos, que tentam manter um equilíbrio a todo custo, até mesmo negando as evidências: de um lado, temos uma pessoa profundamente insegura e desvalorizada, enquanto, do outro lado, alguém procurando uma presa, uma vítima, capaz de suportar ressentimento, raiva e frustração da qual tenta se libertar. "Me faz sofrer, mas eu o amo" ou "Tenho certeza que vai mudar", são frases que amigos e parentes desse tipo de casal terão ouvido muitas vezes. Infelizmente, um casal unido apenas pela dor não é um casal apaixonado. São casais em que um dos dois parceiros sofre abusos mas, ao mesmo tempo, não abandona o relacionamento porque sente que "ama" o outro. Não é amor - é doença.

Outros casais decidem não separar "por causa de seus filhos". Vamos acabar com essa lenda imediatamente: uma criança não vive pacificamente em um ambiente em que os pais brigam constantemente um com o outro, gritando, até usando as mãos, às vezes, e batendo as portas. Uma criança precisa de tranquilidade e se os pais forem forçados a se separarem, então seja bem-vindo. Em meio a um casal que está sempre brigando, a criança também se sentirá posta de lado, já que os pais serão tomados por seus problemas. Então, na sua opinião, é melhor educar as crianças em um ambiente pacífico e saudável, ou continuar a fazê-las sofrerem as frustrações de seus pais?

Advertisement
image: Unsplash

Finalmente, o medo de ficar sozinho não deve ser subestimado: muitos casais permanecem juntos por essa razão. Eles não percebem que já estão sozinhos em seu relacionamento, como a cumplicidade e o desejo de estar juntos compartilhando alguma coisa que há muito desapareceram. Nesse caso, continuamos seguindo o hábito, evitando enfrentar os medos internos que inevitavelmente levam ao fim progressivo de um relacionamento.

Somente através de um trabalho cuidadoso com a própria pessoa será possível se aproximar melhor do outro e começar de novo; e então, entender se, no caso, é melhor fechar um capítulo e iniciar um novo.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado