Ele vai ao banco com 15 contentores cheios de moedas coletadas em 45 anos: leva 5 horas para depositar todas - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Ele vai ao banco com 15 contentores…
São marido e mulher há 91 anos e ainda se amam como no primeiro dia: Pais acordam e encontram a casa coberta de tinta preta: as filhas

Ele vai ao banco com 15 contentores cheios de moedas coletadas em 45 anos: leva 5 horas para depositar todas

13 Abril 2022 • Por Roberta Freitas
773
Advertisement

Quem não se lembra da história da cigarra e da formiga? Enquanto a primeira gostava de cantar, a segunda passava o verão trabalhando duro para conseguir algumas migalhas de pão, para garantir comida para todo o inverno e não correr o risco de ficar sem. Uma metáfora sobre o gesto de economizar e que inspirou muitos de nós a ter um cofrinho: quando se tem moedas no bolso ao voltar do supermercado, muitos os destinam a um pequeno recipiente que, com o tempo, pode fazer uma pequena fortuna.

Um centavo hoje e um amanhã, um americano encheu constantemente os cofrinhos por 45 anos, até que decidiu depositar o dinheiro no banco.

via: USA Today

O protagonista desta história é um educador chamado Otha Anders que mora na Louisiana. O homem começou a colecionar moedas na década de 1960, não tanto para economizar dinheiro, mas mais como um hobby. Isso é demonstrado pelo fato de que quando o governo lançou o programa de reconhecimento de US$ 125 para cada US$ 100 em moedas, Otha não vendeu seus centavos.

Para Anders, os centavos são uma espécie de símbolo: o homem, de fato, considera os centavos uma espécie de lembrete que o lembram de parar e fazer uma oração, onde quer que esteja. Sempre que ele vê um, ele nunca deixa de fazer isso. "É por isso que eles eram tão valiosos para mim", disse ele.

O pacto consigo mesmo, ao longo das quatro décadas de colecionismo, sempre foi o de não aceitar nem uma moeda como presente: “nunca permiti que ninguém, nem mesmo minha esposa ou filhos, me desse centavos sem motivo. Eu queria a satisfação interior de que Deus e eu tivéssemos adquirido esta coleção".

O valor de sua coleção de moedas, portanto, não seria econômico para ele, mas espiritual: “fiquei convencido de que identificar um centavo perdido ou caído era um incentivo adicional dado por Deus para que eu me lembrasse de ser sempre grato. Havia dias em que eu não conseguia orar e, na maioria das vezes, um centavo perdido ou caído aparecia para me lembrar."

O desejo inicial de Otha era poder encher cinco jarras de água com seus centavos mas, assim que atingiu a meta, decidiu continuar até chegar aos quinze. A esse ponto, era hora de depositar os tostões, caso contrário ele nunca pararia.

Então, ele entrou em contato com seu banco de confiança para informar que ele apareceria com uma grande quantidade de centavos. Quando Otha chegou ao local com os quinze jarros cheios de centavos, os funcionários ficaram surpresos.

“Valorizamos o que ele fez, assim como todos os nossos clientes. Mas se pudermos ajudar Anders com seus esforços, ficaremos felizes em fazê-lo”, disse Jennie Cole, vice-presidente do banco. Os cofres foram abertos com machado, processo que exigiu cinco horas de trabalho. O resultado? A coleção de Otha vale milhares de dólares.

Uma ideia da qual se inspirar para lembrar de fazer algo de bom e que, ao mesmo tempo, pode se tornar um pequeno tesouro.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado