No amor devemos parar de apontar o dedo para o outro e nos olharmos no espelho - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
No amor devemos parar de apontar o dedo…
Uma pesquisa confirma: os homens com o ego frágil se sentem ameaçados pelas mulheres inteligentes A presença ativa do pai na vida do filho favorece o seu desenvolvimento intelectual

No amor devemos parar de apontar o dedo para o outro e nos olharmos no espelho

1.222
Advertisement

Relacionamentos sentimentais, por mais bonitos e intensos que sejam, são sempre complexos e às vezes difíceis de administrar. Quanto mais um relacionamento é aprofundado e mais se descobre aspectos do parceiro que podemos não gostar, e surgem problemas de convivência. Dentro de um certo limiar, isso é normal: o amor, o verdadeiro amor, não colore toda a existência, mas leva a ver claramente o outro e a amá-lo, apesar dos defeitos.

No entanto, há pessoas que, apesar de estarem apaixonadas, não deixam de destacar tudo o que as incomoda no relacionamento e no parceiro, de modo a manter o relacionamento sob controle; um comportamento que corre o risco de condenar o relacionamento a uma dinâmica perigosa de infelicidade.

Essas pessoas devem deixar de lado a lupa com a qual olham para o relacionamento e o parceiro e pegar um espelho.

Geralmente, elas atribuem ao parceiro a responsabilidade por todos os problemas dentro do relacionamento; além disso, acreditam que existe uma fórmula perfeita para "curar", para corrigir o comportamento errado do outro.

Essa maneira de conceber o relacionamento e o parceiro está, em muitos casos, errada: geralmente, os problemas estão relacionados à dinâmica relacional, não a uma pessoa.

image: pixabay

Aqueles que têm esse tipo de abordagem devem se dedicar mais à psicoeducação, que funciona como um espelho para identificar seus próprios medos, inseguranças e padrões relacionais herdados da infância. 

Não só isso: nos permite alcançar as ferramentas emocionais necessárias para gerenciar e viver melhor um relacionamento. Todo relacionamento, de fato, envolve uma dose inevitável de conflito, que pode trazer o pior de nós, tornando-nos cegos para nossas responsabilidades.

Contudo, recriminar as falhas do outro sem um exame necessário e preliminar da consciência a longo prazo não funciona, mas condena a relação ao fim, ou à infelicidade: a perfeição que procuramos não existe.

Melhor, portanto, jogar fora a lente de aumento, e começar a observar a si mesmo, redescobrindo a própria humanidade em seus próprios erros, e aprendendo a aceitar e amar um ao outro; só assim poderemos viver o casal em liberdade e alegria.

Tags: PsicologiaAmor
Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado