A companhia aérea não deixa o pai e a recém-nascida embarcarem: uma viúva acolhe os dois em sua casa por dias - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
A companhia aérea não deixa o pai…
Lavar a louça pode ajudar a reduzir o estresse e a se concentrar em si mesmo: é o que diz um estudo Alguns remédios caseiros que podem ajudar a clarear os dentes em maneira natural

A companhia aérea não deixa o pai e a recém-nascida embarcarem: uma viúva acolhe os dois em sua casa por dias

Por Roberta Freitas
53.946
Advertisement

Quando alguém decide viajar com uma criança pequena, certamente está ciente de que situações não muito fáceis podem acontecer. Especialmente para aqueles que querem pegar o avião, ter um filho junto significa ter toda uma série de precauções e precauções para que a criança não seja afetada demais pelo "estresse" causado pela mudança.

Rubin Swift, um pai americano de 43 anos, estava ciente de tudo isso quando estava prestes a voar para Phoenix com sua filha recém-nascida Ru-Andria. No entanto, ele esperava que as autoridades o informassem quando ele chegasse ao portão da companhia aérea de que, nem ele nem a menina, poderiam embarcar no avião.

via: People

Tendo nascido há alguns dias, a certidão de nascimento ainda não havia sido emitida pelo hospital. Rubin, no entanto, tinha uma necessidade urgente de voltar para casa, com sua esposa Tiffany e seus outros filhos, mesmo que no aeroporto fosse absolutamente necessário mostrar um documento comprovando a idade da criança.

Sem dinheiro para alugar um carro ou passar a noite no hotel, Rubin estava literalmente preso com o bebê no aeroporto, sem saber o que fazer e como se locomover. Naquele momento, a idéia: na clínica, ele havia conhecido Joy Ringhofer, uma viúva de 78 anos que trabalhava na instituição.

Advertisement

Foi suficiente um telefonema para a mulher, para quem a situação foi explicada, para receber imediatamente ajuda e compreensão. A mulher disse imediatamente ao homem que a esperasse no aeroporto, porque ela iria ajudá-lo. "Ela não sabia quase nada sobre nós", disse Rubin, "mas nos deu as boas-vindas. A cor da pele não era um problema para ela, e ela me mostrou que ainda há compaixão neste mundo louco". 

Durante quatro dias, Joy hospedou Rubin e Ru-Andria em sua casa. Como se fosse uma avó adquirida, a viúva cuidou da menininha dedicando toda a atenção possível a ela. Juntos, eles passaram momentos emocionantes e inesquecíveis e, quando a certidão de nascimento ficou finalmente pronta, Rubin voltou para casa. Ele não perdeu o contato com Joy e uma amizade esplêndida e sincera foi criada entre os dois.

Advertisement

Rubin agradecerá toda a sua vida à mulher que, abrindo seu coração, conseguiu tirá-lo de uma situação de dificuldade absoluta, sem se preocupar muito com o fato de serem pessoas desconhecidas. Uma história verdadeiramente emocionante e ao mesmo tempo motivadora: certamente o mundo precisaria de muitas pessoas mais generosas como Joy!

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado