Um padeiro começa uma greve de fome contra a expulsão do país de seu jovem aprendiz da Nova Guiné - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Um padeiro começa uma greve de fome…
O filho de 24 anos paga a hipoteca da casa de seus pais: agora o pai pode finalmente se aposentar 15 pessoas que decidiram exibir um corte super curto sem se importar com a opinião dos outros

Um padeiro começa uma greve de fome contra a expulsão do país de seu jovem aprendiz da Nova Guiné

Por Roberta Freitas
11.940
Advertisement

Como sabemos, nem todo mundo nasce com a sorte de ter uma família, um lar e um futuro garantido. Em muitas partes do mundo já é muito conseguir nascer, e sobreviver, então, é outro grande desafio. Laye Fodé Traoréiné é natural da Nova Guiné e chegou ilegalmente à França aos 16 anos. Por ser menor, conseguiu ficar no país tentando se integrar, estudando e trabalhando. Aos 18 anos, porém, não importa se o jovem tinha conseguido um emprego e uma casa, porque é legalmente forçado a deixar o país. Seu empregador, um padeiro de Besançon, decidiu defendê-lo fazendo uma greve de fome.

via: Change.org
image: Twitter

São muitas as assinaturas que continuam a chegar a Laye Fodé Traoréiné no Change.org: uma forma de apoiar o jovem, e tantos como ele que vêm tentar ter um futuro melhor, e convencer as autoridades competentes a deixá-lo ficar na França, a sua nova casa. O jovem Laye vem da Nova Guiné, de uma situação familiar e econômica desesperadora, tanto que teve que viajar sozinho pela Líbia e pela Itália até conseguir chegar na França. Quando chegou a Nimes, em um trem tomado por acaso, ele tinha apenas 16 anos. Laye imediatamente trabalhou para se integrar: ele aprendeu francês, se formou e trabalha como aprendiz de padeiro em Besançon. O seu aniversário de 18 anos, no entanto, marca algo inevitável e também injusto: com a maioridade, o jovem é obrigado a regressar ao seu país de origem. O seu patrão, Stéphane Ravacley, dono da padaria "La Huche à Pain", foi pessoalmente a campo para ajudar o seu melhor trabalhador.

image: Change.org

Stéphane Ravacley está em greve de fome e quer defender seu empregado a todo custo: “Abrimos as portas para uma criança e dissemos a ela 'não se preocupe, nós protegeremos você, você não está mais em perigo'. Damos dinheiro a ela, a hospedamos e depois de 2 anos nós dizemos a ela 'não, esse lindo sonho que você teve não existe mais, você tem que ir para casa!", o padeiro comentou com raiva.

Laye se levanta às 3 da manhã para trabalhar na padaria de Stéphane, onde se tornou um aprendiz exemplar, com uma força de vontade que falta em muitos dos jovens que estudam e trabalham hoje. Stéphane, como bom patrão, reconhece as qualidades do jovem: “É mesmo um bom rapaz e fala francês melhor do que eu. Aprendeu muito e muito rapidamente. Trabalha magicamente”.

Advertisement

Por sua vez, a prefeitura considera que os documentos do estado civil fornecidos por Laye não são compatíveis. O advogado do jovem, Me Amandine Dravigny, disse que os documentos enviados pelas autoridades guineenses não podem ser classificados como falsos. Atualmente, um resumo administrativo foi solicitado, mas recusado.

Só temos que desejar boa sorte a este jovem, esperando que a sua situação seja resolvida o mais rápido possível.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado