Dormir em contato com os pais até os 3 anos reduziria o estresse nas crianças, é o que diz um estudo - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Dormir em contato com os pais até os…
Ladrões de energia: 5 modos para reconhecê-los e afastá-los da sua vida A cheesecake japonesa é macia como uma nuvem e se prepara com somente 3 ingredientes.

Dormir em contato com os pais até os 3 anos reduziria o estresse nas crianças, é o que diz um estudo

2.577
Advertisement

Assim que você se torna pai ou mãe, as dúvidas tomam conta de tudo: desde o tipo de amamentação até a marca das fraldas, da maneira correta de tratar as cólicas à roupa certa, você entra em um mundo totalmente novo, feito de coisas desconhecidas das quais depende o bem-estar do seu filho. Por outro lado, os conselhos recebidos são tão numerosos quanto diversos; e acima de tudo, a fadiga crônica domina.

O sono em si é uma questão fundamental na vida dos novos pais, e muitas vezes se perguntam se o co-sleeping não é uma solução - pelo menos parcial - para as noites sem dormir, apesar dos milhares de medos que o acompanham. Bem, recentemente alguns pediatras sugerem que as crianças devem dormir na cama com a mãe até os três anos de idade.

O Dr. Nils Bergman, da Universidade da Cidade do Cabo, diz que, para um desenvolvimento ideal, os bebês saudáveis ​​devem dormir no peito da mãe durante as primeiras semanas, e ficar na cama com mamãe e papai até 3-4 anos. No entanto, o co-sleeping geralmente não é recomendado, pois é considerado um dos fatores que aumentam a probabilidade de morte no berço.

Ainda assim, Bergman  aponta que "quando as crianças são sufocadas, não é porque elas dormem com a mãe. A causa é encontrada em outras coisas: gases tóxicos, cigarros, álcool, travesseiros grandes e brinquedos perigosos".

Um estudo recente monitorou o sono de 16 crianças, concluindo que quando elas dormem sozinhas em um berço, seus corações são submetidos a três vezes mais estresse, o sono é mais agitado e interrompido e o cérebro tem menos probabilidade de oscilar entre o sono "ativo" e o "silencioso". Além disso, apenas 6 das 16 crianças conseguiam dormir em berços, mas a qualidade do sono era pior. De acordo com Bergman, esse estresse também pode afetar a vida relacional futura da criança, uma vez que ela tenha crescido.

Outro estudo  publicado na revista Biological Psychiatry examinou por 10 anos 73 bebês prematuros que se beneficiaram da "terapia do portador de bebê" (KC) ou de um contato da pele com as mães, e outros que receberam cuidados padrão nas incubadoras. Os resultados destacaram os benefícios do KC no desenvolvimento cognitivo e na função respiratória da criança, bem como a redução da ansiedade materna.

National Childbirth Trust é a favor do co-sleeping, desde que os pais não bebam, fumem ou usem drogas, ou que sejam obesos ou cronicamente doentes, ou no caso de fadiga crônica; além disso, deve-se tomar cuidado para que não haja travesseiros, brinquedos ou outros objetos volumosos na cama. No entanto, a questão permanece controversa; até mesmo o Dr. Bergman limita o co-sleeping à amamentação apenas, pois nesse caso é criada uma harmonia entre mãe e recém-nascido que permite responder aos sinais um do outro.

Certamente todos os recém-nascidos adoram sentir-se mimados e protegidos com a segurança nos braços da mãe, e não devemos ouvir os comentários de outras pessoas sobre o fato de que o co-sleeping torna as crianças menos independentes e que "devemos deixá-las chorar". Dito isso, é bom tomar todas as precauções de qualquer maneira, limitando os riscos à criança a um mínimo.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado