Na vida não precisamos de muitos amigos: bastam poucos, mas bons - OlhaQueVideo.com.br
x
Utilizando este site, você aceita o modo no qual utilizamos os cookies para melhorar a sua experiência. Saiba mais Ok
x
Na vida não precisamos de muitos amigos:…
Uma mãe abriu uma padaria para dar ao filho com deficiência um trabalho digno e uma esperança para o futuro O que acontece com o nosso corpo quando tomamos água com limão regularmente

Na vida não precisamos de muitos amigos: bastam poucos, mas bons

Por Roberta Freitas
58.823
Advertisement

Para muitos, cercar-se de muitas pessoas com quem poder compartilhar experiências dia após dia é uma coisa fundamental. Tanto que muitas vezes se torna vital, a tal ponto que, se você não faz parte de um grande grupo, nunca se sente completamente feliz.

Certamente, muitos de nós nos encontraremos nessa descrição pensando acima de tudo nos anos da juventude. Na escola, de fato, divisões, exclusões e dinâmicas de grupo podem ser verdadeiramente traumáticas e deixam uma marca em termos de insatisfação, mesmo depois de algum tempo. Ao crescer, porém, a vida é vista com olhos diferentes, e percebe-se que a maioria das ansiedades da sociabilidade e das (supostas) amizades se tornaram coisas não tão vitais quanto eram antes.

image: Pixnio

Se na escola não fazíamos parte dos "populares", certamente não tínhamos muitos "amigos". Sim, nós o escrevemos entre aspas, porque a verdadeira amizade é um bem raro de encontrar, e certamente não é medido pela quantidade de relacionamentos, geralmente baseados em aparências e convenções que você tem na escola. À medida que amadurecemos e o tempo passa, porém,  percebemos que, para nos sentirmos aceitos e satisfeitos, não precisamos de dezenas de pessoas ao nosso redor, mas são necessárias algumas que realmente saibam ser nossas amigas.

Grupos fechados, exclusões, provocações, suposições: aqueles que experimentaram tudo isso pessoalmente sabem do que estamos falando. Durante a adolescência, os jovens sabem ser verdadeiramente ofensivos e se envolver em comportamentos prejudiciais para os outros.

É por isso que, apesar de tudo parecer opaco e negativo, é sempre necessário projetar-se com a mente para o futuro. Por exemplo, para os anos da faculdade. É justamente aí que, para muitas pessoas, se começa a viver, entendendo quem realmente somos e o que queremos, de nós mesmos e dos outros.

image: ECohen/Flickr

Com a dinâmica do "grupo", tornamo-nos os mesmos e começamos a fazer algo que lamentamos não ter sido capazes de fazer antes: escolher nossas companhias, selecioná-las de alguma forma. É nesse ponto que, fortalecidos por nossa confiança recém-descoberta, começamos a nos mostrar mais confiantes, mais abertos, talvez mais solidários com os outros. Porque, afinal, é realmente verdade que quanto mais estivermos em paz conosco mesmos, melhor estaremos com os outros, certamente parecendo pessoas melhores.

E aqui, em pouco tempo, conheceremos pessoas especiais, assim como nós, que sabem sintonizar nossas visões, sabem como nos levar por quem somos; em uma palavra: eles sabem como nos respeitar. Mesmo que não seja um grande grupo de pessoas, perceberemos que duas pessoas já são suficientes para sermos felizes. 

É isso mesmo: se parece estranho, espere para pensar sobre isso. Afinal, nem todos nos merecem, e é por isso que é melhor nos cercar o máximo possível de pessoas sinceras que sabem como nos aceitar, melhorando-nos dia a dia. Essas são pessoas amigáveis ​​que ficam por muito, muito tempo, e que não devemos deixar escapar. Não importa se são dois e não dez: são deles que realmente precisamos.

Advertisement

Deixe um comentário!

Advertisement
Advertisement
x

Por favor, faça o login para carregar o vídeo

Cadastre-se com Facebook com 2 simples cliques!
(Usamos Facebook somente para que o registro seja mais rápido e NÃO iremos postar nada no seu mural)

Acesse com Facebook

Quer mais coisas como essa?

Curta e não perca os melhores da internet!

×

Já sou fã, obrigado